Home



Pós-Doutorado

Instituição: Universidade da Califórnia, Berkeley
Período: setembro de 2015 a agosto 2016
Título do Projeto: Ideologies about "communication" in policies of "pacification" of favelas:regimes, publics, and the production of truth

Doutorado

Universidade Estadual de Campinas, 2010. Orientador: Kanavillil Rajagopalan. Tese: Pragmática da violência: o Nordeste na mídia brasileira.

Áreas de Interesse

Práticas e processos de construção de identidade e diferença; Demarcações de fronteiras políticas e simbólicas a partir de ideologias e regimes linguísticos; Relações entre significação e violência; Abordagens etnográficas de mídias e mediações

Projetos de pesquisa encerrados

Circulação de discursos sobre segurança pública e violência no Rio de Janeiro: a construção de uma 'nova' esfera pública e sua contestação (2014-2019)

Projetos de pesquisa em andamento

Escalas sociolinguísticas horizontais e a escalada da violência: Uma perspectiva aplicada nos estudos da linguagem (2018 – atual)

Resumo: Este projeto pretende investigar um aspecto ainda pouco explorado pela pesquisa sobre a gestão violenta de periferias no Brasil: sua dimensão linguística. Mais precisamente, intenciona-se aqui entender o processo por meio do qual linguagem e diálogo são reduzidos a violência e força na gestão policial de territórios periféricos no Rio de Janeiro - fenômeno que denomino escalada da violência. Como resposta à escalada da violência, residentes, ativistas e defensores de direitos humanos têm empregado recursos linguísticos de forma cooperativa na criação de redes de solidariedade e resistência - processo verificado em outros grupos ao redor do mundo, periféricos ou não, e denominado por alguns pesquisadores de ?esperança? (Bloch, 1986; Myiakazi, 2000; Crapanzano, 2003; Lear, 2006; Mahmoood, 2016), i.e., o trabalho linguístico-ideológico por meio do qual sujeitos opõem violência e destruição política com uma construção coletiva de uma perspectiva de sobrevivência. Assim, no contexto do Rio de Janeiro, o binômio linguagem-violência parece validar práticas microinteracionais de vigilância, repressão e destruição em processos macrossociológicos da cultura política autoritária brasileira, mas parece também, a depender da adesão de sujeitos a práticas discursivas cooperativas, gerar perspectivas linguístico-ideológicas de resistência, de produção de escalas alternativas à violência e de performance da esperança. O recorte espaço-temporal do projeto são as periferias da cidade do Rio de Janeiro, em especial o Complexo do Alemão, um conjunto de 12 favelas onde realizo pesquisa de campo desde 2012. O bairro tem aproximadamente 120.000 habitantes e conta com o IDH mais baixo das 31 microrregiões da cidade do Rio de Janeiro (0,709). Metodologicamente, em vista do alinhamento deste estudo com uma perspectiva pragmática e crítica na Linguística Aplicada, opta-se por uma compreensão das práticas de linguagem sob orientação etnográfica. Nesse sentido, a análise de violência e esperança na linguagem é indissociável do diálogo com a perspectiva daqueles/as afetados/as por essa violência.
 

Divulgação científica

--