Faculty


Prof. Dr. Rogério Tilio

CV Lattes

Doutorado

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), 2006. Orientadora: Lúcia Pacheco de Oliveira. Tese: O livro didático de inglês em uma abordagem sócio-discursiva: culturas, identidades e pós-modernidade.

Áreas de interesse

Avaliação e produção de material didático, letramento crítico, ensino de línguas e formação de professores, e a natureza socioconstrucionista da linguagem, do discurso, das identidades sociais e das culturas.

Projeto de pesquisa em andamento

Práticas identitárias no livro didático: circulação de discursos e vozes na construção do conhecimento (2011) 

O material didático, especialmente o livro didático, ocupa um papel fundamental no contexto brasileiro de ensino de línguas. Embora idealmente um livro didático funcione como um facilitador do ensino, muitos programas de ensino são elaborados com base na escolha de um livro didático. Portanto, a abordagem metodológica adotada pelo livro e a forma como o professor faz uso deste instrumento de ensino são de grande importância no processo de ensino e aprendizagem. Além disso, é preciso ter em mente que, no contexto atual da contemporaneidade (FRIDMAN, 2000), caracterizado por sua fragmentação, fluidez e diversidade (MOITA LOPES, 2002, 2003a) e marcado pela globalização (BAUMAN, 1999), e momento em que, mais do que nunca, a pluralidade cultural se faz presente, o ensino de línguas estrangeiras (especialmente o de inglês) tem o objetivo de promover a inclusão social dos alunos no mundo globalizado por meio do uso da linguagem, seja em língua materna ou estrangeira. Seguindo-se as recentes orientações governamentais para o ensino – os Parâmetros Curriculares Nacionais (2002, 1999, 1998) e as Orientações Curriculares (2006, 2004) – a educação escolar deve enfocar a formação do aluno como cidadão. Dentro desta perspectiva, as Orientações Curriculares para o Ensino Médio (2006) destacam a importância dos multiletramentos e do letramento crítico, ou seja, da capacitação do aluno para que este não apenas se insira no mundo contemporâneo, caracterizado por multisemioses, mas para que também possa atuar nele, podendo até mesmo contribuir para transformá-lo. Segundo os documentos oficiais, o ensino de línguas (linguagem) deve, portanto, (1) discutir temas que permitam a construção da cidadania e respeitem as identidades dos alunos (inclusão); e (2) colaborar na construção de habilidades e competências no uso da linguagem (atuação).

Projeto de pesquisa ligado ao Núcleo de Pesquisa sobre Ensino de Línguas (NUPEL).